COVID-19 é agora a terceira maior causa de morte nos EUA

ANÚNCIO
COVID-19 é agora a terceira maior causa de morte nos EUA
Foto: (reprodução/internet)

“Não afeta virtualmente ninguém”, disse o presidente Donald Trump sobre o novo coronavírus em 21 de setembro poucas horas antes das mortes nos Estados Unidos por COVID-19 ultrapassarem 200 mil e menos de duas semanas antes de seu teste ser positivo.

O tributo humano subjacente a esse marco histórico é quase tão grande quanto a população de Salt Lake City ou Birmingham, Alabama, e maior do que as mortes em qualquer conflito nos Estados Unidos, exceto na Guerra Civil e na Segunda Guerra Mundial.

ANÚNCIO

COVID-19 se tornou a terceira maior causa de mortes na semana de 30 de março a 4 de abril, ficando atrás de doenças cardíacas e câncer. Matou mais pessoas do que derrame, doença respiratória crônica inferior, Alzheimer, diabetes, doença renal ou gripe.

Naquela semana, cerca de 10 mil pessoas morreram em decorrência da doença causada pelo coronavírus. A gripe, que Trump e outros invocaram ao discutir o COVID-19, causou 1.870 mortes (um número que inclui pneumonia) no mesmo período.

Um pico na contabilidade semanal ocorreu em meados de abril, quando os casos de COVID-19 se tornaram a principal causa de morte. A doença voltou ao terceiro lugar mais mortal na semana de 4 a 9 de maio e permaneceu lá desde então.

ANÚNCIO

Veja também: Novo tratamento alivia o zumbido incômodo nas orelhas

Esse perfil de perda pode ser ampliado ainda mais para medir o excesso de mortes acima das taxas de mortalidade típicas.

Contagens provisórias de mortes feitas pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças mostram que mais pessoas morreram todos os meses de março a agosto deste ano do que durante o mesmo período nos últimos 20 anos.

As estatísticas incluem mortes causadas pelo vírus e aumentos por outras causas, como a falta de atendimento médico à medida que os hospitais ficavam lotados.

COVID-19 marca pelo menos um revés temporário para a epidemiologia. A proporção de estadunidenses que morreram nos primeiros oito meses deste ano foi maior do que a de qualquer ano desde 1970, um ano que paradoxalmente acabou sendo bom para a saúde pública.

Em 1970, o presidente Richard Nixon assinou a Lei de Saúde e Segurança Ocupacional, assinou um projeto de lei para proibir anúncios de cigarros na televisão e no rádio e enviou ao Congresso um plano para a criação da Agência de Proteção Ambiental.

Talvez essas ações possam servir como precedentes nos próximos anos, quando os formuladores de políticas se reunirem para planejar a inevitabilidade de futuras pandemias.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Scientific American

ANÚNCIO