59 múmias de sacerdotes e estátuas de um deus incomum desenterradas no Egito

ANÚNCIO
59 múmias de sacerdotes e estátuas de um deus incomum desenterradas no Egito
Foto: (reprodução/internet)

Em um período de um mês, o número de caixões lacrados encontrados em uma escavação arqueológica em Saqqara, no Egito, aumentou de 13 para 59 – e há mais por vir – disse o Ministério de Antiguidades egípcio em um comunicado.

Os caixões coloridos, que datam da 26ª dinastia do Egito (688 a.C. a 525 a.C.), foram encontrados empilhados dentro ou perto de três poços funerários, disse o ministério em 3 de outubro. As múmias ainda estão preservadas dentro dos caixões, e a escrita hieroglífica nos caixões indica que muitas das múmias eram sacerdotes.

ANÚNCIO

Ao lado dos caixões, eles encontraram os restos de 28 pequenas estátuas. Uma das estátuas mais interessantes é uma estátua de bronze de quase 14 polegadas de altura (35 centímetros) do deus Nefertem, que é mostrado usando um cocar em forma de flor de lótus.

O cocar é feito de pedra de ágata vermelha, turquesa e lápis-lazúli, disse o comunicado do ministério. Na mitologia egípcia antiga, Nefertem era um deus associado às flores de lótus e era filho de Ptah, um deus criador que era popular em Mênfis, a primeira capital do Egito (Saqqara serviu como cemitério para Mênfis).

Outra pequena estátua encontrada perto dos caixões retrata o deus Ptah-Soker – um amálgama dos deuses Ptah e Soker.

ANÚNCIO

“Saqqara era chamado de Saqqara por causa do deus Soker. No período tardio (época em que os caixões datam de), havia uma combinação do deus Ptah de Memphis com Soker”, disse Zahi Hawass, um ex-ministro egípcio de antiguidades, em um vídeo divulgado pelo ministério.

59 múmias de sacerdotes e estátuas de um deus incomum desenterradas no Egito
Foto: (reprodução/internet)
59 múmias de sacerdotes e estátuas de um deus incomum desenterradas no Egito
Foto: (reprodução/internet)

“Isso é único. Nunca vi isso antes”, disse Hawass sobre a estátua de Ptah-Soker.

Numerosas estatuetas de shabti também foram encontradas com os caixões. Os antigos egípcios costumavam enterrar os mortos com estatuetas shabti, que eles acreditavam que funcionariam para os mortos na vida após a morte.

O Egito lutou para ganhar e manter sua independência durante a 26ª dinastia. No início da dinastia, os faraós eram vassalos da Assíria.

No entanto, à medida que o poder assírio enfraquecia, os egípcios puderam afirmar sua independência política. Porém, a ascensão da Pérsia significaria o fim da dinastia e em 525 a.C. o Egito foi conquistado pelo Império Persa.

O trabalho em Saqqara está sendo conduzido por uma equipe egípcia liderada por Mustafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito. O trabalho está em andamento e mais caixões e outros artefatos devem ser descobertos em breve.

Veja também: Há muito ouro no universo e ninguém sabe de onde veio

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora
ANÚNCIO