Há muito ouro no universo e ninguém sabe de onde veio

ANÚNCIO
Há muito ouro no universo e ninguém sabe de onde veio
Foto: (reprodução/internet)

Algo está espalhando ouro em todo o universo, mas ninguém sabe o que é.

Aqui está o problema: o ouro é um elemento, o que significa que não consegue sobreviver às reações químicas comuns – embora os alquimistas tentassem durante séculos.

ANÚNCIO

Para fazer o metal brilhante, você precisa ligar 79 prótons e 118 nêutrons para formar um único núcleo atômico. Essa é uma intensa reação de fusão nuclear.

Mas essa fusão intensa não acontece com frequência suficiente, pelo menos não nas proximidades, para formar o gigantesco tesouro de ouro que encontramos na Terra e em outras partes do sistema solar.

E um novo estudo descobriu que a origem do ouro mais comumente teorizada – colisões entre estrelas de nêutrons – também não pode explicar a abundância de ouro. Então, de onde vem o ouro? Existem algumas outras possibilidades, incluindo supernovas tão intensas que viram uma estrela do avesso.

ANÚNCIO

As colisões de estrelas de nêutrons criam ouro ao esmagar brevemente prótons e nêutrons em núcleos atômicos e, em seguida, expelir esses núcleos pesados ​​recém-ligados pelo espaço.

Supernovas regulares não podem explicar o ouro do universo porque estrelas com massa suficiente para fundir ouro antes de morrer – o que é raro – tornam-se buracos negros quando explodem, disse Chiaki Kobayashi, astrofísico da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, e principal autor do novo estudo.

E, em uma supernova normal, esse ouro é sugado para o buraco negro.

E quanto àquelas supernovas mais estranhos que lançam estrelas? Este tipo de explosão estelar, a chamada supernova magneto-rotacional, é “uma supernova muito rara, girando muito rápido”, disse Kobayashi ao Live Science.

Durante uma supernova magneto-rotacional, uma estrela moribunda gira tão rápido e é destruída por campos magnéticos tão fortes que se vira do avesso ao explodir. Ao morrer, a estrela lança jatos de matéria incandescente para o espaço. E como a estrela foi virada do avesso, seus jatos estão repletos de núcleos de ouro.

Estrelas que fundem ouro são raras. Estrelas que fundem ouro e depois o lançam no espaço assim são ainda mais raras.

Mas mesmo as estrelas de nêutrons mais as supernovas magneto-rotacionais juntas não podem explicar a abundância de ouro da Terra, descobriram Kobayashi e seus colegas.

“Essa questão tem dois estágios”, disse ela. “Número um é: fusões de estrelas de nêutrons não são suficientes. Número dois: mesmo com a segunda fonte, ainda não podemos explicar a quantidade observada de ouro.”

Estudos anteriores estavam certos de que as colisões de estrelas de nêutrons liberam uma chuva de ouro, disse ela. Mas esses estudos não explicaram a raridade dessas colisões. É difícil estimar com precisão a frequência com que pequenas estrelas de nêutrons se chocam.

Mas certamente não é muito comum: os cientistas viram isso acontecer apenas uma vez. Mesmo estimativas aproximadas mostram que eles não colidem com a frequência suficiente para produzir todo o ouro encontrado no sistema solar, descobriram Kobayashi e seus coautores.

Algo lá fora que os cientistas não conhecem deve estar fazendo ouro, disse Kobayashi. Ou é possível que colisões de estrelas de nêutrons produzam muito mais ouro do que os modelos existentes sugerem. Em ambos os casos, os astrofísicos ainda têm muito trabalho a fazer antes de poderem explicar de onde veio todo esse brilho sofisticado.

Veja também: Grafeno: 200 vezes mais forte que o aço, 1.000 vezes mais leve que o papel

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO