Prêmio Nobel de Física concedido a 3 cientistas por suas descobertas sobre buracos negros

ANÚNCIO
Prêmio Nobel de Física concedido a 3 cientistas por suas descobertas sobre buracos negros
Foto: (reprodução/internet)

O Prêmio Nobel de Física foi concedido a três cientistas por seu trabalho envolvendo alguns dos segredos mais misteriosos e sombrios do cosmos – os buracos negros.

Roger Penrose, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, recebeu metade do prêmio “pela descoberta de que a formação de buracos negros é uma previsão robusta da teoria geral da relatividade”.

ANÚNCIO

Enquanto isso, Andrea Ghez, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA) e Reinhard Genzel, da Universidade de Bonn e do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre na Alemanha, compartilharam em conjunto a outra metade “para a descoberta de um objeto compacto supermassivo no centro de nossa galáxia”, a Real Academia Sueca de Ciências anunciou esta manhã (6 de outubro).

Ghez é apenas a quarta mulher a receber um Nobel de Física. As outros três foram Marie Curie em 1903, Maria Goeppert-Mayer em 1963 e Donna Strickland em 2018.

Teoria geral da relatividade

Por sua vez, Penrose mostrou com eloquentes modelos matemáticos que a própria existência de buracos negros é uma consequência direta da teoria mais famosa de Albert Einstein. Na verdade, Einstein não acreditava que tais pesos pesados ​​- objetos que devoram tudo, até mesmo a luz, que está ao seu alcance – existissem.

ANÚNCIO

Mesmo assim, sua teoria da geral relatividade prevê que a gravidade resulta da deformação do espaço-tempo. Segundo esta teoria, objetos massivos (como buracos negros) colocam marcas cósmicas neste tecido de espaço-tempo de forma que outros objetos próximos não podem evitar cair nessas marcas de gravidade.

Uma das previsões que sairão da relatividade geral é que os buracos negros têm um horizonte de eventos, uma demarcação além da qual nada, nem mesmo a luz, pode escapar.

Em janeiro de 1965, apenas 10 anos após a morte de Einstein em 18 de abril de 1955, Penrose revelou que os buracos negros podem e devem se formar, descrevendo-os em detalhes em um artigo que é considerado até hoje “como a contribuição mais importante para a teoria geral da relatividade desde Einstein”, disse a academia em um comunicado.

Descobertas

Penrose descobriu que no coração dos buracos negros existe um núcleo infinitamente denso chamado de singularidade, onde as leis da natureza são quebradas.

Por sua vez, as equipes lideradas por Ghez e Genzel revelaram o segredo obscuro no centro da Via Láctea.

Desde o início dos anos 1990, ao se concentrar em uma região no coração de nossa galáxia chamada Sagitário A*, Ghez e Genzel descobriram, independentemente, que algum objeto superpesado está puxando aglomerados de estrelas e fazendo-os girar em velocidades alucinantes, disse a academia.

Na verdade, suas equipes descobriram que um objeto pesando colossais 4 milhões de massas solares está compactado em um local não maior do que nosso sistema solar.

Ambos não apenas previram a existência desse gigante negro, mas desenvolveram métodos de telescópio que lhes permitiam ver através de densas nuvens de gás interestelar e poeira no centro da Via Láctea.

Eles refinaram essas técnicas para compensar as distorções que ocorrem devido à atmosfera da Terra. E no final, os dois grupos forneceram a evidência mais forte até agora de que um buraco negro supermassivo se esconde no coração de nossa galáxia.

“As descobertas dos laureados deste ano abriram novos caminhos no estudo de objetos compactos e supermassivos”, disse David Haviland, presidente do Comitê Nobel de Física, em comunicado da academia.

“Mas esses objetos exóticos ainda colocam muitas questões que imploram por respostas e motivam pesquisas futuras. Não apenas questões sobre sua estrutura interna, mas também questões sobre como testar nossa teoria da gravidade sob as condições extremas nas imediações de um buraco negro.”

O prêmio Nobel de física do ano passado foi concedido a três cientistas por desvendar a estrutura e a história do universo e por mudar a perspectiva da humanidade do lugar do nosso planeta nele.

Penrose receberá metade do prêmio Nobel de 10 milhões de coroas suecas (cerca de US$ 1,2 milhão), enquanto Ghez e Genzel dividirão a outra metade.

Veja também: Há muito ouro no universo e ninguém sabe de onde veio

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO