Compreende? Os sinais do seu cérebro dirão

ANÚNCIO
Compreende? Os sinais do seu cérebro dirão
Foto: (reprodução/internet)

Às vezes, podemos ouvir alguém falando, mas isso nem sempre significa que estamos sintonizando. Agora, os neurocientistas identificaram uma forma de detectar sinais cerebrais que indicam quando uma pessoa está realmente entendendo a fala.

A técnica, que aplica aprendizado de máquina, representa um avanço no uso de tecnologia de EEG (eletroencefalografia) relativamente barata (pense em uma calota craniana equipada com eletrodos com fio) para monitorar a atividade elétrica do cérebro e avaliar a compreensão.

ANÚNCIO

A abordagem pode oferecer uma medida sensível do desenvolvimento da linguagem em bebês e da compreensão entre os pacientes, incluindo aqueles em estado de consciência reduzido.

“A fala é realmente incrível, mas estamos tão acostumados com isso e nossos cérebros são tão bons em compreender um fluxo constante de palavras que muitas vezes não damos valor”, diz Edmund Lalor, professor associado de engenharia biomédica e neurociência da Universidade de Rochester e Trinity College Dublin.

Lalor, que supervisionou o estudo publicado em março de 2018 na revista Current Biology, aponta que as palavras saem da língua da maioria dos falantes em um ritmo impressionante – cerca de 120 a 200 palavras por minuto.

ANÚNCIO

Técnica do estudo

Nossos cérebros, quando alertas, têm poucos problemas em manter e interpretar os sons como sílabas, palavras, parágrafos e significado.

Para detectar quanto processamento está acontecendo enquanto interpretamos a fala, Lalor e colegas, incluindo o estudante de graduação e autor principal, Michael Broderick, primeiro aplicaram o aprendizado de máquina a gravações de audiolivros e discursos do ex-presidente Barack Obama para avaliar quando os principais momentos de compreensão deveriam ocorrer.

“O aprendizado de máquina acabou produzindo um grande e longo vetor de números para cada palavra”, diz Lalor. “Uma palavra com um valor numérico alto carrega um grande significado e deve evocar uma resposta de EEG mais forte.”

A leitura do aprendizado de máquina alinhada com as leituras de EEG do cérebro de pessoas que ouvem as mesmas gravações, diz ele. Picos de carga elétrica do cérebro corresponderam a momentos-chave de compreensão.

Testes de compreensão

Para testar ainda mais se os picos nos sinais elétricos correspondiam ao que as pessoas estavam ouvindo, a equipe fez leituras de EEG em outras situações em que a escuta estava comprometida.

Em um deles, o ruído de fundo dificultou a audição do locutor e os sinais cerebrais do ouvinte mostraram uma resposta mais fraca (a compreensão melhorou quando o ouvinte também foi capaz de ver um vídeo do locutor).

Em outro experimento, a atenção do ouvinte foi confundida pelo som competitivo de outro narrador contando uma história diferente ao mesmo tempo.

“Isso simula um ambiente do mundo real onde você está em uma sala barulhenta e tem que concentrar sua atenção em um alto-falante e ignorar as vozes de todos ao seu redor”, explica Broderick.

Nesse cenário semelhante a uma barra barulhenta, as leituras do EEG do sujeito também mostraram uma compreensão diminuída.

Por fim, a equipe reproduziu as gravações de audiolivros ao contrário. Nesses testes, diz Broderick, a resposta do cérebro “desapareceu” porque os sons claramente não faziam sentido para os ouvintes.

Veja também: Será que estamos mesmo exagerando no sal?

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: HowStuffWorks

ANÚNCIO