‘Supererupções’ podem dificultar o início da vida em torno de estrelas anãs

ANÚNCIO
'Supererupções' podem dificultar o início da vida em torno de estrelas anãs
Foto: (reprodução/internet)

Erupções estelares poderosas podem representar um sério desafio para a origem e evolução da vida ao redor do universo, sugere um novo estudo.

Essas explosões lançam grandes quantidades de radiação ultravioleta (UV), que não só é diretamente prejudicial à vida como a conhecemos, mas também pode destruir a atmosfera de planetas em órbita relativamente próxima.

ANÚNCIO

Esses problemas são especialmente pronunciados para mundos que circundam anãs vermelhas, estrelas pequenas e turvas que constituem cerca de 75% da população estelar da Via Láctea.

Para começar, as anãs vermelhas são mais ativas do que estrelas semelhantes ao sol, especialmente quando são jovens.

E, como cada anã vermelha é tão escura, sua “zona habitável” – a faixa de distâncias orbitais onde a água líquida poderia ser estável na superfície de um mundo – está muito mais próxima do que para uma estrela como o nosso sol.

ANÚNCIO

O novo estudo ajuda a dar corpo a esse esboço do esqueleto. Os pesquisadores calcularam as prováveis ​​emissões de UV geradas por supererupções das anãs vermelhas, bem como as cargas de radiação absorvidas por planetas rochosos que podem residir nas zonas habitáveis ​​das pequenas estrelas.

“Descobrimos que planetas orbitando estrelas jovens podem experimentar níveis proibitivos de radiação ultravioleta, embora alguns microrganismos possam sobreviver”, disse o autor principal do estudo, Ward Howard, estudante de doutorado no Departamento de Física e Astronomia da Universidade da Carolina do Norte (UCN), Chapel Hill, em um comunicado.

Veja também: Templo pagão de 1.200 anos a Thor e Odin descoberto na Noruega

Howard e seus colegas mediram as temperaturas de 42 supererupções emitidos por 27 anãs vermelhas.

Eles fizeram isso analisando observações feitas simultaneamente pelo Evryscope, um conjunto de pequenos telescópios no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile, e o Transiting Exoplanet Survey Satellite da NASA, que caça mundos alienígenas da órbita terrestre desde 2018.

Essas observações foram obtidas a cada 2 minutos, permitindo aos cientistas obter um perfil de temperatura detalhado ao longo da breve vida das supererupções da anã vermelha, que normalmente emitem a maior parte de sua radiação UV durante um pico de 10 a 15 minutos.

A temperatura está fortemente correlacionada com a emissão de UV, então os pesquisadores foram capazes de estimar as cargas de radiação impostas pelas explosões.

A nova informação pode ajudar uma variedade de outras investigações astrobiológicas no futuro, disseram membros da equipe.

“A longo prazo, esses resultados podem informar a escolha dos sistemas planetários a serem observados pelo Telescópio Espacial James Webb da NASA com base na atividade de queima do sistema”, estuda coautor Nicholas Law, professor associado de física e astronomia na UCN-Chapel Hill e o investigador principal do Evryscope, disse na mesma declaração.

O novo estudo continua a investigação em andamento da equipe sobre a queima das anãs vermelhas e seus impactos potenciais na vida.

Por exemplo, um artigo de 2018 liderado por Howard sugeriu que as supererupções diminuíram o potencial astrobiológico de Proxima b, um mundo rochoso do tamanho da Terra que orbita na zona habitável da anã vermelha Proxima Centauri, o vizinho estelar mais próximo do sol.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Space

ANÚNCIO