‘Torre’ de coral com mais de 500 metros de altura descoberta na costa australiana

ANÚNCIO
'Torre' de coral com mais de 500 metros de altura descoberta na costa australiana
Foto: (reprodução/internet)

Um navio de pesquisa subaquática esbarrou em um recife de coral gigantesco, parecendo uma torre monolítica na costa do norte da Austrália.

De acordo com cientistas do Schmidt Ocean Institute, que estão conduzindo uma expedição de um ano no oceano ao redor da Austrália, este recife recém-descoberto tem mais de 500 metros de altura da base à ponta, tornando-o mais alto que o Empire State Building.

ANÚNCIO

O recife recém-descoberto faz parte da Grande Barreira de Corais – o recife de coral mais longo do mundo, medindo mais de 2.300 km ao longo da costa nordeste da Austrália.

Este novo ramo da enorme estrutura subaquática se destaca livremente do resto do recife, tornando-o o primeiro recife de coral destacado descoberto na área em 120 anos, disseram os pesquisadores.

“Encontrar um novo recife de meio quilômetro de altura… na conhecida Grande Barreira de Corais mostra como o mundo é misterioso logo além de nossa costa“, disse Jyotika Virmani, diretora executiva do Schmidt Ocean Institute, em um comunicado .

ANÚNCIO

Cientistas a bordo do navio de pesquisa Falkor descobriram o novo recife em 20 de outubro enquanto construíam um mapa 3D do fundo do oceano. A torre solitária de coral, que a equipe descreveu como “semelhante a uma lâmina”, mede 1,5 km de largura em sua base, antes de subir até seu pico, cerca de 40 m abaixo da superfície do mar.

Veja também: Estranha Nebulosa da Caveira brilha forte para o Halloween

Sete outras torres isoladas como esta foram descobertas anteriormente ao longo do recife, disseram os pesquisadores.

Usando um veículo operado remotamente (ROV), a equipe explorou a superfície do novo recife, revelando uma coleção de corais e fauna subaquática.

Essa biodiversidade é típica da Grande Barreira de Corais, que abriga mais de 1.500 espécies de peixes e centenas de diferentes tipos de corais.

No entanto, muitas dessas espécies correm o risco de perder suas casas devido às mudanças climáticas, o que tem contribuído para a perda de metade dos corais da Grande Barreira de Corais desde 1995, concluiu um estudo publicado em 14 de outubro na revista Proceedings of the Royal Society B.

Além de encontrar esta torre enorme, os pesquisadores do instituto também descobriram o “único animal mais longo de todos os tempos” em abril (na verdade, uma corrente de 45 metros de comprimento de criaturas menores chamadas zooides), uma lula nunca filmada viva antes e um misterioso cemitério de corais em março.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO