A nave espacial BepiColombo passa por Vênus em uma longa estrada para Mercúrio

ANÚNCIO
A nave espacial BepiColombo passa por Vênus em uma longa estrada para Mercúrio
Foto: (reprodução/internet)

É uma longa jornada em loop da Terra através do sistema solar interno para chegar a Mercúrio, mas fazer turismo pode tornar qualquer viagem longa mais emocionante.

Para os cientistas planetários, uma passagem pela nossa misteriosa vizinha Vênus é um cenário muito bom.

ANÚNCIO

E, convenientemente, a localização de Vênus o torna uma ferramenta de navegação poderosa para espaçonaves que visitam Mercúrio e o Sol: uma espaçonave pode usar um loop cuidadosamente coreografado passando por Vênus para ajustar sua trajetória mais profundamente no sistema solar interno.

Essa é precisamente a manobra que o BepiColombo, uma missão conjunta da Europa e do Japão para Mercúrio, completa durante a noite no primeiro de dois voos planejados para Vênus.

A espaçonave fez sua aproximação mais próxima de Vênus às 00:58 de hoje (15 de outubro) no horário de Brasília, chegando a 10.720 km do planeta, de acordo com a Agência Espacial Europeia (ESA).

ANÚNCIO

E os cientistas – especialmente aqueles que estudam Vênus – raramente recusam observações extras. A Parker Solar Probe da NASA, outra missão do sistema solar interno, também está capturando observações de Vênus quando ela passa pelo planeta.

Vários dos instrumentos da BepiColombo estão muito embalados para a longa jornada até Mercúrio para reunir quaisquer dados sobre Vênus, mas os planejadores da missão selecionaram cerca de uma dúzia de instrumentos que eles esperavam que seriam capazes de dar uma olhada no planeta durante o sobrevoo.

A BepiColombo também teve algum apoio. A Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA), que opera um dos dois orbitadores integrados à missão Mercúrio, também tem uma espaçonave ativa orbitando Vênus, chamada Akatsuki.

Outra espaçonave JAXA na órbita da Terra, chamada de Observatório Espectroscópico de Planetas Hisaki, e algumas instalações baseadas na terra também voltaram seus olhos eletrônicos para Vênus para fornecer observações complementares durante o sobrevoo.

Veja também: O que você ganha quando duas estrelas de nêutrons colidem?

Embora a câmera principal da espaçonave não estivesse acessível, duas câmeras menores na espaçonave tentaram fotografar Vênus durante a manobra, de acordo com um comunicado da ESA antes do sobrevoo.

Uma imagem, capturada pela Câmera de Monitoramento 2 do Módulo de Transferência de Mercúrio, mostra Vênus a uma distância de cerca de 17.000 km com uma antena e uma haste de magnetômetro da própria sonda também visíveis.

Outros instrumentos ativos durante o sobrevoo coletaram dados sobre a espessa atmosfera de Vênus e a interação do planeta com o vento solar, o fluxo constante de partículas carregadas que flui do sol e através do espaço.

Como Vênus é tão diferente de Mercúrio, especialmente com sua atmosfera densa e rica em dióxido de carbono (CO2) em comparação com a atmosfera inexistente de Mercúrio, esses instrumentos não estão necessariamente fazendo exatamente o mesmo trabalho que fariam quando sua missão começar para valer, de acordo com a ESA .

No entanto, eles terão uma segunda chance de estudar Vênus quando BepiColombo fizer seu segundo sobrevôo, em agosto de 2021, antes de seguir para Mercúrio.

BepiColombo fará uma série de seis sobrevoos de Mercúrio antes de entrar em órbita ao redor do minúsculo planeta em 2025. Lá, a missão se dividirá em suas duas espaçonaves constituintes para estudar a superfície, interior e arredores de Mercúrio para ajudar os cientistas a entender o sistema solar e suas origens.

A missão BepiColombo de US$ 2 bilhões foi lançada para Mercúrio em outubro de 2018. Os dois orbitadores da missão devem passar um ano estudando o planeta.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Space.com

ANÚNCIO