Cientistas pedem um banco global de germes

ANÚNCIO
Cientistas pedem um banco global de germes
Foto: (reprodução/internet)

As pessoas odeiam germes. Basta olhar para a indústria de desinfetantes para as mãos , onde os negócios estão crescendo. As empresas venderam US$ 2,4 bilhões em líquido de limpeza em trânsito em 2017. O mercado de Purell e outros agentes de limpeza semelhantes deve saltar para US$ 5,5 bilhões em 2024.

Dispensadores de desinfetantes estão surgindo em qualquer lugar que alguém possa tocar em algo que dá a eles um caso de calafrios por causa de um resfriado (ou pior), de consultórios médicos e escolas primárias a banheiros públicos.

ANÚNCIO

Proteção dos germes

A verdade é que nem todos os germes são ruins. Muitas formas de bactérias, por exemplo, são importantes para a saúde intestinal. Alguns médicos também dizem que as crianças devem ser expostas a certos germes em uma determinada idade para ajudar a aumentar a imunidade.

Uma equipe de pesquisadores liderada pela Rutgers University – New Brunswick está até pedindo um “banco de germes”, onde os micróbios possam ser armazenados fora de perigo e possivelmente usados ​​para evitar doenças no futuro.

Veja também: Físico racista zomba de Einstein e dos judeus em carta antissemita de 1927 colocada em leilão

O cofre (seu nome oficial é Cofre Microbiota) seria usado para preservar micróbios particularmente sob risco de serem eliminados do planeta conforme áreas como a América do Sul e a África se tornassem mais desenvolvidas.

ANÚNCIO

“Estamos enfrentando uma crescente crise de saúde global, que exige que capturemos e preservemos a diversidade da microbiota humana enquanto ela ainda existe“, disse Maria Gloria Dominguez-Bello, autora principal e professora do Departamento de Rutgers-New Brunswick Bioquímica e Microbiologia e Departamento de Antropologia.

Sincronia necassária

“Esses micróbios co-evoluíram com os humanos ao longo de centenas de milênios. Eles nos ajudam a digerir os alimentos, fortalecer nosso sistema imunológico e proteger contra germes invasores.”

“Em um punhado de gerações, vimos uma perda impressionante na diversidade microbiana associada a um aumento mundial de imunológico e outros distúrbios.”

Micróbios já estão sendo usados para tratar uma ampla gama de doenças, desde doenças genéticas raras até câncer.

Mas à medida que a resistência humana a certas drogas aumenta com o tempo, os defensores dos bancos de germes dizem que uma “Arca de Noé” de bactérias e outros materiais potencialmente salvadores ajudará a garantir que novos medicamentos possam ser desenvolvidos antes que seja tarde demais.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: HowStuffWorks

ANÚNCIO