Minúsculo planeta rebelde é o menor candidato a exoplaneta flutuante até agora

ANÚNCIO
Minúsculo planeta rebelde é o menor candidato a exoplaneta flutuante até agora
Foto: (reprodução/internet)

Os astrônomos identificaram o menor candidato a “planeta invasor” já conhecido, um mundo possivelmente menor que a Terra que aparentemente cruza nossa galáxia, a Via Láctea, sem estar ligado a uma estrela.

O potencial exoplaneta tem uma massa que está em algum lugar entre a da Terra e Marte, que é apenas 10% tão robusta quanto o nosso mundo. Se confirmada, a descoberta seria um grande marco no estudo de planetas exilados, que são considerados incrivelmente abundantes em toda a galáxia e além, mas são muito difíceis de detectar.

ANÚNCIO

“Nossa descoberta demonstra que planetas flutuantes de baixa massa podem ser detectados e caracterizados usando telescópios terrestres”, Andrzej Udalski, coautor de um novo estudo que anuncia a descoberta e principal investigador do projeto Optical Gravitational Lensing Experiment (OGLE), disse em um comunicado.

Comum mas difícil de ver

Os astrônomos descobriram mais de 4.000 exoplanetas confirmados até o momento.

A maioria deles foi encontrada usando o “método de trânsito”, que registra as quedas de brilho causadas quando um mundo cruza a face de sua estrela hospedeira da perspectiva de um observador, ou o “método de velocidade radial”, que identifica movimentos estelares induzidos pela atração gravitacional de um planeta.

ANÚNCIO

Ambas as técnicas dependem da existência de uma estrela hospedeira, portanto não podem ser usadas para caçar mundos invasores. Mas outra técnica de caça a planetas pode fazer o trabalho – “microlente gravitacional”, que envolve observar objetos em primeiro plano passando na frente de estrelas distantes ao fundo.

Quando isso acontece, o corpo mais próximo pode atuar como uma lente gravitacional, dobrando e ampliando a luz da estrela de forma a revelar a massa do objeto em primeiro plano e outras características.

“As chances de observar [eventos de] microlentes são extremamente reduzidas porque três objetos – fonte [de luz], lente e observador – devem estar quase perfeitamente alinhados“, disse o autor principal do estudo, Przemek Mroz, pesquisador de pós-doutorado no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, na mesma declaração.

“Se observássemos apenas uma estrela fonte, teríamos que esperar quase um milhão de anos para ver a fonte através de microlente.”

Mas os caçadores de planetas como Mroz não observam os céus uma estrela de cada vez. No novo estudo, por exemplo, Mroz e seus colegas analisaram dados coletados pela OGLE.

Este projeto, liderado pela Universidade de Varsóvia, na Polônia, usa um telescópio de 1,3 metros no Observatório Las Campanas, no Chile, para monitorar milhões de estrelas perto do centro da Via Láctea em todas as noites claras.

Veja também: Cientistas pedem um banco global de germes

Os pesquisadores extraíram um sinal muito interessante das observações do OGLE – um evento chamado OGLE-2016-BLG-1928, que com 42 minutos de duração é o evento de microlente mais curto já detectado.

A equipe ainda caracterizou o evento usando dados coletados pela Korea Microlensing Telescope Network, que opera telescópios no Chile, Austrália e África do Sul.

“Quando vimos este evento pela primeira vez, ficou claro que ele deve ter sido causado por um objeto extremamente pequeno“, disse o coautor Radoslaw Poleski, do Observatório Astronômico da Universidade de Varsóvia, no mesmo comunicado.

Os cálculos da equipe sugerem que o corpo da lente tem uma massa entre a de Marte e a da Terra, e provavelmente está mais próximo do Planeta Vermelho do que do nosso próprio mundo. E o candidato OGLE-2016-BLG-1928 provavelmente está zunindo pelo espaço profundo sozinho.

“Se as lentes orbitassem uma estrela, detectaríamos sua presença na curva de luz do evento”, disse Poleski. “Podemos descartar o planeta com uma estrela dentro de cerca de 8 unidades astronômicas.”

Uma unidade astronômica, ou UA, é a distância média da Terra ao Sol – cerca de 150 milhões de quilômetros. Em nosso próprio sistema solar, um objeto a 8 UA giraria em torno do Sol entre Júpiter e Saturno – um lugar estranho para a existência de um planeta pequeno e rochoso.

O novo estudo foi publicado online hoje (29 de outubro) no Astrophysical Journal Letters.

Inicializado de casa

Os astrônomos descobriram apenas um punhado de exoplanetas confirmados até agora. Mas esse pequeno número sugere uma grande população, dizem os cientistas, dada a dificuldade de detecção desses mundos exóticos.

Os astrônomos pensam que a maioria dos planetas invasores nasceu da maneira “normal”, coalescendo do gás e da poeira girando em torno de uma estrela recém-formada. Mas esses mundos foram eventualmente expulsos de seus sistemas nativos por interações gravitacionais com outros corpos, especialmente seus irmãos gigantes gasosos.

A teoria sugere que a maioria dos planetas ejetados dessa forma são mundos rochosos com massas de 30% a 100% da Terra, observam Mroz e seus colegas no novo estudo. Portanto, o candidato OGLE-2016-BLG-1928 pode muito bem ser bastante representativo da população abundante, mas indescritível, desses planetas.

Logo poderíamos começar a lidar melhor com essa população. Por exemplo, o Telescópio Espacial Nancy Grace Roman da NASA, que está programado para ser lançado em meados da década de 2020, conduzirá uma grande pesquisa de microlente, entre outras tarefas científicas.

Essa pesquisa provavelmente encontrará cerca de 250 planetas invasores, incluindo 60 ou mais com massa da Terra ou mais leves, revelou um estudo recente.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Space.com

ANÚNCIO