Por que Roma caiu?

ANÚNCIO
Por que Roma caiu?
Foto: (reprodução/internet)

Quando o Império Romano estava no auge, o alcance do imperador se estendia das colinas encharcadas pela chuva do norte da Inglaterra até os desertos áridos da Arábia Saudita. Mas quando começou a dar errado? Por que Roma caiu?

A resposta, ao que parece, não é direta. Alguns argumentam que o saque de Roma em 410 d.C. pelos visigodos é um marcador tão bom quanto qualquer outro para o fim, enquanto outros dizem que foi somente na Idade Média que o mandato do império foi finalmente concluído.

ANÚNCIO

Divisão do império

Em termos gerais, depende de qual Roma estamos falando. Em 395 d.C., o Império Romano foi dividido em dois, sempre administrado separadamente como o Império Romano Ocidental com Roma como sua capital e o Império Romano Oriental, Bizantino, com Constantinopla (atual Istambul) como sua capital, de acordo com HistoryHit.

“Temos a tendência de pensar nos bizantinos como pessoas e estados separados dos romanos, mas eles se autodenominavam ‘Romanoi’ e se viam como cidadãos de um governo romano“, disse Kristina Sessa, professora associada de história da Universidade Estadual de Ohio.

Os destinos dessas duas jurisdições divergiram inevitavelmente. O Império Romano Ocidental se fragmentou à medida que várias províncias sofreram degradação econômica e política décadas após a divisão.

ANÚNCIO

O Império Romano Oriental foi, entretanto, relativamente próspero por vários séculos. “Você precisa distinguir essas diferentes trajetórias regionais”, disse Sessa ao Live Science.

O Ocidente desmoronou devido a uma perda gradual e constante do controle centralizado, às vezes devido a incursões de tribos não romanas e ocasionalmente instigadas por traidores de dentro do estabelecimento romano.

É difícil marcar o momento preciso em que Roma perdeu o controle sobre um determinado território, porque ao contrário da descolonização dos impérios no século 20, era raro fazer ou assinar documentos e declarações de independência.

Houve, no entanto, batalhas marcantes – entre 460 d.C. e 480 d.C., os visigodos conseguiram tomar partes substanciais do que hoje é a França.

Mesmo assim, o declínio da Roma Ocidental foi um processo bastante gradual e nebuloso em que as colônias, uma a uma, não estavam mais sob o domínio de um imperador em Roma de forma realista. Em vez disso, líderes locais autônomos estavam cada vez mais no comando.

Veja também: Por que temos horário de verão?

Por que Roma caiu?
Foto: (reprodução/internet)

Dominação de dentro para fora

“Em alguns casos, eram usurpadores romanos“, que usaram golpes para tomar o poder, disse Sessa. Em outros casos, essas regiões autônomas eram chefiadas pelos chamados regimes bárbaros.

Mas os bárbaros – como os francos, saxões e vândalos – não eram simplesmente invasores de terras estrangeiras destruindo uma Roma mais fraca. Afirmar isso seria menosprezar esses grupos.

“Aquele mapa com todas as flechas de invasores vindo de além e assumindo o controle do império, que comumente aparece nos livros didáticos, está totalmente errado”, disse Sessa. Muitos dos bárbaros eram coalizões de soldados que trabalharam com e para os Impérios Romanos por várias gerações.

Eles viveram e trabalharam dentro do Império Romano, em nome do Império Romano, por décadas, senão séculos”, disse Sessa. Isso deu aos bárbaros a oportunidade de aprender táticas e perícia romanas, que então aplicaram contra o império, – resultando em uma série de derrotas militares devastadoras para os romanos.

Quedas no Ocidente e no Oriente

“A fronteira romana não era uma fronteira no sentido moderno do estado-nação. Era simplesmente uma região de influência romana decrescente, onde as pessoas se moviam livremente”, disse ela.

Nesse contexto, é fácil ver como a fronteira pode encolher com o tempo. “Sem um estado central, os impostos não eram mais coletados regularmente na maioria das áreas do Ocidente, o que obviamente impactava os militares”, explicou Sessa.

A diminuição da receita tributária tornou cada vez mais difícil para Roma reunir legiões suficientes para recuperar as terras que os bárbaros haviam tomado.

Enquanto o Império Romano na Europa Ocidental estava indo para o inferno em uma cesta de mãos, os romanos orientais continuaram. “O Oriente, em comparação, permaneceu consolidado e focado em torno da cidade de Constantinopla”, disse Sessa.

Sua morte, no entanto, foi muito mais nas mãos de uma força invasora externa.

“Foi ao longo dos séculos sétimo e oitavo que o Império Oriental começou a sofrer uma fragmentação política semelhante, embora neste caso estejamos falando de exércitos e regimes externos; os persas, os eslavos e os árabes“, acrescentou.

Não foi até 1453, quando os otomanos saquearam Constantinopla, que podemos realmente dizer que o Império Romano acabou.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO