Camarão mantis golpeia e pega rivais menores para roubar suas casas

ANÚNCIO
Camarão mantis golpeia e pega rivais menores para roubar suas casas
Foto: (reprodução/internet)

É difícil encontrar um lar perfeito, e alguns camarões mantis chamados de “esmagadores” por seu braço poderoso trabalham duro para localizar um que seja perfeito. Se a casa já tem dono, o invasor vai lutar ferozmente para despejá-lo.

Para descobrir com que agressividade este minúsculo crustáceo luta para expulsar um dono anterior de uma toca de coral, os pesquisadores criaram “arenas” em aquários de laboratório e encenaram batalhas entre camarões mantis, pela posse de uma desejável toca simulada.

ANÚNCIO

Embora os camarões mantis normalmente prefiram tocas que são maiores do que seus corpos, deixando-os espaço para crescer, nem sempre foi esse o caso nos experimentos.

Nas batalhas encenadas, os combatentes lutaram mais para ganhar casas um pouco menores do que o ideal, talvez porque os invasores reconheceram que tocas menores continham rivais menores que seriam mais fáceis de derrotar, escreveram os cientistas em um novo estudo.

Pequeno mas poderoso

Apesar do nome comum, os camarões mantis não são camarões. Em vez disso, são estomatópodes, uma ordem de crustáceos relacionada.

ANÚNCIO

Para o estudo, os cientistas coletaram o camarão mantis Neogonodactylus bredini, que vive em recifes de coral no sul do Mar do Caribe e mede até 60 milímetros de comprimento, de acordo com o Smithsonian Tropical Research Institute.

Os “socos” do camarão mantis são conhecidos por sua velocidade, atingindo uma velocidade de 80 km/h para desferir golpes que podem quebrar as conchas dos caracóis e quebrar o vidro do aquário.

N. bredini machos e fêmeas competem pela propriedade de tocas de entulho de recife em tapetes de ervas marinhas, e eles oferecem “ataques de alta força potencialmente danosos durante essas disputas”, relataram os pesquisadores.

Veja também: Por que Roma caiu?

O experimento

Os cientistas emparelharam aleatoriamente camarões mantis machos e fêmeas, aclimatando-os separadamente a tocas de vários tamanhos. Em seguida, um camarão foi apresentado com uma toca de plástico com uma única abertura, onde poderia se sentir em casa.

Em seguida, os cientistas introduziram um segundo camarão no tanque, observando o intruso para ver se ele atacaria o ocupante da toca (as competições eram interrompidas se algum dos camarões mantis corresse o risco de sofrer ferimentos graves ou morrer, de acordo com o estudo).

Quando o camarão mantis tinha sua escolha de tocas desocupadas, eles normalmente escolhiam opções que incluíam algum espaço de cultivo. Mas quando os crustáceos tiveram que lutar por uma toca já ocupada, eles lutaram mais e tiveram mais sucesso se as tocas fossem menores do que o tamanho ideal, descobriram os pesquisadores.

Camarão mantis golpeia e pega rivais menores para roubar suas casas
Foto: (reprodução/internet)

Vitórias e derrotas

Os residentes da toca definitivamente tinham uma vantagem de território – os invasores venceram apenas 31% de suas lutas. Se as tocas eram muito grandes ou muito pequenas para os invasores, eles se saíram ainda pior, vencendo apenas 13% das batalhas.

Mas quando uma toca era apenas ligeiramente menor do que o ideal para o tamanho do corpo do invasor, o camarão mantis intruso ganhou 67% das vezes. É possível que os intrusos tenham avaliado o tamanho das tocas menores e reconhecido que o camarão dentro também seria menor – e mais fácil de vencer em uma briga.

“Sabemos que os animais podem avaliar uma variedade de fatores, incluindo o tamanho do oponente e o valor do prêmio, ao decidir se lutar e com que força lutar”, disse o autor do estudo Patrick Green, um pós-doutorado com o Programa Humano de Ciência de Fronteira no Centro de Ecologia e Conservação da Universidade de Exeter em Cornwall, Inglaterra.

“Neste caso, como uma toca menor é provavelmente ocupada por um oponente menor, parece que os camarões mantis vão se comprometer ao tamanho da casa se isso significar uma luta mais fácil“, disse Green em um comunicado.

“Pode-se presumir que os animais lutam mais pelos maiores recursos, mas este estudo é um exemplo de esforço máximo sendo reservado para algo que é ‘perfeito’”, disse Green.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO