Novo geoglifo da Linha de Nazca descoberto: um gato de 36 metros de comprimento

ANÚNCIO
Novo geoglifo da Linha de Nazca descoberto: um gato de 36 metros de comprimento
Foto: (reprodução/internet)

Arqueólogos descobriram um geoglifo felino gigante adornando uma encosta no sul do Peru, tornando-o a última das Linhas de Nazca – um grupo de misteriosos e enormes desenhos feitos pelo homem no deserto que datam dos tempos pré-colombianos – a ser descoberto nos últimos anos, de acordo com o Ministério da Cultura do Peru.

Sobre o mais novo geoglifo

O gatinho foi encontrado enquanto arqueólogos com o Plano de Manejo Nazca-Palpa, apoiado pelo Ministério da Cultura, reformavam um mirante natural na Pampa de Nazca, de acordo com um declaração do ministério em 15 de outubro.

ANÚNCIO

No início, as operárias mal conseguiam ver o gato, pois a erosão natural na encosta quase apagou o antigo contorno felino. No entanto, após cerca de uma semana de conservação, os arqueólogos restauraram o geoglifo, que data entre cerca de 200 a.C. e 100 a.C., de acordo com o ministério.

Como outras Linhas de Nazca – incluindo um macaco, uma baleia assassina, um beija-flor e um humanoide – o gato é tão grande que é melhor visto de cima, como de um avião ou drone. Os traços do gato têm entre 30 e 40 centímetros de largura, e o felino inteiro tem cerca de 37 metros de comprimento.

Veja também: Antártica propensa a ‘tremores de gelo’ todas as noites, conclui estudo

O estilo do gato, um perfil com a cabeça voltada para o observador, indica que foi feito no período Paracas tardio (a cultura Paracas antecedeu a cultura Nazca, que começou por volta de 100 a.C.). Além disso, a cultura Paracas é bem conhecida por suas representações de felinos em suas cerâmicas e tecidos, informou o ministério.

ANÚNCIO

As Linhas de Nazca

As Linhas de Nazca são reconhecidas na lista do Patrimônio Mundial com curadoria da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

A maioria das linhas de Nazca conhecidas datam de 200 a.C. e 500 d.C., mas as linhas anteriores, feitas com pedras empilhadas, datam de 500 a.C.

Nos últimos anos, pesquisadores encontraram entre 80 e 100 geoglifos até então desconhecidos nos vales de Nazca e Palpa, todos anteriores à cultura de Nazca, disse o arqueólogo Johny Isla, diretor da missão de conservação das Linhas de Nazca no Ministério da Cultura ao The Guardian.

“Eles são menores em tamanho, desenhados nas encostas e claramente pertencem a uma tradição anterior”, disse ele.

“Pode parecer surpreendente que novos designs ainda estejam sendo encontrados, mas sabemos que há mais por aí”, disse Isla à imprensa local, de acordo com o Evening Standard.

“Nos últimos anos, o uso de drones, que nos permitem fazer imagens das encostas de morros, tornou isso possível.”

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO