Antártica propensa a ‘tremores de gelo’ todas as noites, conclui estudo

ANÚNCIO
Antártica propensa a 'tremores de gelo' todas as noites, conclui estudo
Foto: (reprodução/internet)

Há um canto da gélida Antártica onde o próprio gelo treme à noite, de acordo com uma pesquisa publicada no jornal Annals of Glaciology em dezembro de 2018.

Do final de novembro de 2016 a meados de janeiro de 2017, o autor principal Douglas R. MacAyeal e sua equipe coletaram dados sísmicos na plataforma de gelo McMurdo, uma lâmina de água congelada que envolve parte do Mar de Ross da Antártica.

ANÚNCIO

No gelo, a equipe montou duas estações sismográficas. Uma delas – apelidada de “estação úmida” – foi colocado em uma área onde lagos de água derretida estavam presentes e abaixo da superfície. Enquanto isso, a chamada “estação seca” foi depositada em um corpo de neve compacta a cerca de 20 quilômetros de distância.

Essas áreas produziram leituras totalmente diferentes. Todas as noites, do final de novembro a meados de dezembro, o equipamento da estação úmida registrava o que MacAyel descreve em um comunicado à imprensa como “dezenas, centenas ou milhares” de eventos sísmicos extremamente pequenos (menos de um segundo).

Nada parecido foi observado na estação seca, que em sua maioria detectou ruídos antropogênicos ou “feitos pelo homem” produzidos por veículos de campo próximos. No entanto, os terremotos da estação úmida eram claramente de origem natural.

ANÚNCIO

Veja também: As primeiras formas de vida podem ter sido mais animalescas do que jamais imaginamos

MacAyel e seus colegas supõem que eles estão ligados aos depósitos de água subterrâneos da área.

“Nessas lagoas”, diz MacAyel no mesmo comunicado.

“Costuma haver uma camada de gelo em cima da água derretida abaixo, como o que você vê em um lago que só está congelado no topo. Conforme a temperatura esfria à noite, o gelo na parte superior se contrai e a água embaixo se expande à medida que congela. Isso entorta a tampa superior, até que finalmente se rompe com um estalo.”

Por décadas, os cientistas sabem que o gelo pode gerar atividades sísmicas – muitas das quais são em escala muito pequena. Um exemplo bem documentado seriam os alarmantes “terremotos de geada” que supostamente cercaram a área de Chicago neste ano.

Quando a maioria dos líquidos congela, eles perdem volume e se contraem. Mas a água não é como a maioria dos líquidos, o processo de congelamento realmente faz com que o H2O se expanda.

Tremores de geada são o que pode acontecer quando a água subterrânea que vaza em um pedaço de solo ou rocha congela rapidamente.

Como esperado, conforme a água líquida se transforma em gelo, ela se expande rapidamente. A pressão resultante pode fazer com que o material circundante se rache, às vezes com um ruído estrondoso que soa como o rugido de uma espingarda.

Os tremores de gelo pertencem a uma família maior de fenômenos conhecidos como “icequakes”. Esse rótulo também foi aplicado a eventos semelhantes a terremotos desencadeados por geleiras à medida que elas deslizam em piscinas subjacentes de água líquida.

Mas as observações feitas pelo grupo de MacAyel implicam que a superfície superior de uma plataforma de gelo pode criar seus próprios terremotos – o que nunca foi sugerido antes.

Eles esperam que futuros cientistas sejam capazes de monitorar as tendências de derretimento da Antártica, mantendo o controle sobre esses rumores.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: HowStuffWorks

ANÚNCIO