Nosso sistema solar sobreviverá à morte de nosso sol?

ANÚNCIO
Nosso sistema solar sobreviverá à morte de nosso sol?
Foto: (reprodução/internet)

A morte do nosso sol está muito distante – cerca de 4,5 bilhões de anos – mas algum dia isso vai acontecer, e então o que será do nosso sistema solar?

O que vem acontecendo com o Sol?

O problema começa antes da morte propriamente dita: a primeira coisa que temos que enfrentar é o próprio sol idoso. À medida que a fusão do hidrogênio continua dentro do sol, o resultado dessa reação, o hélio, se acumula no núcleo.

ANÚNCIO

Com todo o produto residual, fica mais difícil para o sol fazer sua dança de fusão. Mas o peso esmagador interno da atmosfera do sol não muda, então para manter o equilíbrio o sol tem que aumentar a temperatura de suas reações de fusão, levando ironicamente a um núcleo mais quente.

Isso significa que, à medida que o sol envelhece, fica cada vez mais brilhante. Os dinossauros conheciam um sol mais escuro do que o que vemos hoje e, em apenas algumas centenas de milhões de anos, a Terra ficará quente demais para lidar.

Nossa atmosfera será destruída. Nossos oceanos vão evaporar. Por algum tempo, seremos parecidos com Vênus, presos em uma atmosfera sufocante de dióxido de carbono.

ANÚNCIO

E então fica pior.

Nos estágios finais da fusão do hidrogênio, nosso sol vai inchar e inchar, ficando distorcido e inchado – e vermelho. O sol gigante vermelho consumirá Mercúrio e Vênus com certeza.

Pode ou não poupar a Terra, dependendo exatamente de quão grande ela se tornar. Se a atmosfera distendida do sol atingir nosso mundo, a Terra se dissolverá em menos de um dia.

Mas mesmo que a expansão do Sol pare, não será bonito para a Terra. As energias extremas emitidas pelo sol serão intensas o suficiente para vaporizar rochas, deixando para trás nada mais do que o denso núcleo de ferro de nosso planeta.

Misturando todo o sistema

Os planetas externos também não aproveitarão o aumento da emissão de radiação solar. Os anéis de Saturno são feitos de água gelada quase pura, e o futuro sol simplesmente será quente demais para eles sobreviverem.

O mesmo vale para os mundos bloqueados pelo gelo que orbitam esses gigantes. Europa, Encélado e todos os outros perderão suas conchas geladas.

Veja também: Centríolos: você não pode dividir células sem eles

No início, o aumento da radiação explodirá os quatro planetas externos, destruindo suas atmosferas, que são tão frágeis quanto a de um planeta terrestre. Mas à medida que o sol continua a aumentar, algumas das gavinhas externas de sua atmosfera podem encontrar seu caminho para os gigantes, viajando por funis de gravidade.

Alimentando-se desse material, os planetas externos podem se empanturrar, tornando-se muito maiores do que nunca.

Mas o sol ainda não acabou. Em seus estágios finais, ele irá inchar e se contrair repetidamente, pulsando por milhões de anos. Esta não é a situação mais estável, gravitacionalmente falando.

O sol perturbado empurra e puxa os planetas externos em direções estranhas, potencialmente atraindo-os para um abraço mortal ou chutando-os inteiramente para fora do sistema.

Uma nova casa

Por algumas centenas de milhões de anos, as partes mais externas do nosso sistema solar serão um lugar decente para chamar de lar. Com tanto calor e radiação emanando do sol gigante vermelho, a zona habitável – a região em torno de uma estrela onde as temperaturas são ideais para a água líquida – mudará para fora.

Como vimos acima, a princípio as luas dos mundos externos derreterão, perdendo suas conchas geladas e potencialmente hospedando oceanos de água líquida em suas superfícies.

Eventualmente, os objetos do cinturão de Kuiper, incluindo Plutão e seus amigos misteriosos, também perderão seus gelos. O maior pode se transformar em mini-Terras orbitando um distante sol vermelho distorcido.

Mas, eventualmente, nosso Sol desistirá de lutar, afastando sua atmosfera externa em uma série de explosões que deixam para trás o núcleo da estrela: um pedaço incandescente de carbono e oxigênio.

Esta anã branca inicialmente estará incrivelmente quente, emitindo radiação de raios-X que pode causar danos brutais à vida como a conhecemos. Mas dentro de um bilhão de anos ou mais, a anã branca se estabelecerá em temperaturas mais controláveis ​​e simplesmente permanecerá por trilhões e trilhões de anos.

Essa fraca anã branca hospedará uma nova zona habitável, mas como o antigo sol será tão frio, aquela zona seria incrivelmente próxima, muito mais perto do que Mercúrio orbita nosso sol hoje.

A essa distância, qualquer planeta (ou núcleo planetário) seria vulnerável à interrupção das marés – uma maneira bonita de dizer que a gravidade da anã branca poderia, inadvertidamente, rasgar um planeta em pedaços.

Mas isso pode ser o melhor que conseguiremos.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Space.com

ANÚNCIO