Fósseis de pássaros monstros descobertos na Antártica

ANÚNCIO
Fósseis de pássaros monstros descobertos na Antártica
Foto: (reprodução/internet)

Não muito depois da extinção dos dinossauros, uma nova raça de gigantes surgiu: pássaros monstro com envergadura que chegava a 6,4 metros de comprimento.

Essas enormes aves escureceram os céus da Antártica há 50 milhões de anos, segundo um novo exame de fósseis do continente. A nova pesquisa revela que espécies muito grandes dessas aves, chamadas pelagornitídeos, surgiram menos de 15 milhões de anos depois que um asteroide exterminou os dinossauros não-aviários.

ANÚNCIO

O novo estudo foi publicado em 27 de outubro na revista Scientific Reports. Ele se concentrou em um osso da pata de um pássaro, coletado na Ilha Seymour, perto da Península Antártica, na década de 1980.

A descoberta

Em 2015, Peter Kloess, aluno de pós-graduação em paleontologia da Universidade da Califórnia, Berkeley, encontrou o osso nas coleções do Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia.

Enquanto ele examinava as notas que acompanhavam o osso, ele percebeu que os ossos eram de uma rocha mais antiga do que a originalmente reconhecida. Em vez de ter 40 milhões de anos, como dizia no rótulo, o osso tinha 50 milhões de anos e era muito maior do que outros ossos de pelagornitídeos encontrados naquela idade.

ANÚNCIO

“Eu adoro ir a coleções e apenas encontrar tesouros lá”, disse Kloess em um comunicado. “Alguém me chamou de rato de museu, e considero isso um distintivo de honra. Adoro correr por aí, encontrando coisas que as pessoas ignoram.”

O osso não foi mais esquecido. Kloess e seus colegas descobriram outro osso pelagornitídeo da mesma ilha e era – uma mandíbula inferior parcial.

Veja também: Raio de esclarecimento: A luz é uma onda ou uma partícula?

Talvez o maior já descoberto

Analisando os dois, os pesquisadores concluíram que o crânio do pássaro teria 60 centímetros de comprimento. O animal estaria entre os maiores, senão o maior, pelagornitídeo já encontrado.

Os pelagornitídeos eram conhecidos por serem um grupo muito antigo de pássaros. O fóssil mais antigo dessas aves remonta a 62 milhões de anos. No entanto, esse fóssil era de uma espécie muito menor do que a descoberta por Kloess e colegas.

Os pássaros recém-descobertos eram mais parecidos com os albatrozes modernos, com enormes envergaduras que os teriam permitido voar por dias ou mesmo semanas de cada vez sobre o oceano aberto.

O albatroz moderno, no entanto, atinge uma envergadura máxima de 3,5 metros. O pelagornitídeo de 50 milhões de anos teria uma envergadura quase o dobro disso.

Os bicos desses antigos monstros do céu também tinham projeções ósseas cobertas de queratina. Essas estruturas semelhantes a dentes, com cerca de 3 cm de altura, teriam ajudado os pássaros a se agarrar aos peixes e lulas retirados do mar.

Cinquenta milhões de anos atrás, a Antártica era mais quente do que hoje. Foi um paraíso para pássaros, incluindo os primeiros pinguins, bem como mamíferos agora extintos, como os esparnoteriodontídeos de casco, de acordo com um estudo de 2014 na revista Paleontology. Grandes pelagornitídeos provavelmente dominavam os céus.

“Estes pássaros com dentes ósseos teriam sido predadores formidáveis ​​que evoluíram para estar no topo de seu ecossistema“, disse o coautor do estudo Thomas Stidman, do Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados da Academia Chinesa de Ciências.

Os pelagornitídeos provavelmente possuíam a maior envergadura de qualquer ave, seguidos por um grupo de pássaros necrófagos chamados teratorns, que evoluíram 40 milhões de anos depois.

Alguns pterossauros venceram os dois: Questzalcoatlus northropi, por exemplo, podia estender suas asas gigantes até 13 metros. Os últimos pelagornitídeos foram extintos há 2,5 milhões de anos.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Live Science

ANÚNCIO