‘Teia de aranha’ captura seis galáxias em torno de um buraco negro supermassivo

ANÚNCIO
'Teia de aranha' captura seis galáxias em torno de um buraco negro supermassivo
Foto: (reprodução/internet)

Seis galáxias ficaram presas em órbita ao redor de um buraco negro supermassivo durante o início da história do universo, revelam novas observações.

Os novos dados do Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul no Chile e outros observatórios dão aos astrônomos uma ideia da evolução do buraco negro quando o universo tinha menos de um bilhão de anos, de acordo com um comunicado do ESO.

ANÚNCIO

Um mistério dos buracos negros supermassivos é como eles se tornaram tão grandes, alguns contendo bilhões de vezes a massa do sol. Buracos negros supermassivos também são relativamente comuns, eles se escondem no coração da maioria, senão de todas as galáxias, incluindo nossa Via Láctea.

As novas observações alimentam a ideia de que tais buracos negros crescem em ambientes gasosos dentro de “grandes estruturas semelhantes a teias”, segundo o ESO.

“Esta pesquisa foi impulsionada principalmente pelo desejo de compreender alguns dos objetos astronômicos mais desafiadores – buracos negros supermassivos no início do universo”, disse o autor principal Marco Mignoli, astrônomo do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, Itália, no comunicado.

ANÚNCIO

“Esses são sistemas extremos e, até o momento, não tivemos nenhuma boa explicação para sua existência.”

Veja também: Estranhas lagartas venenosas que parecem tupês ambulantes estão invadindo a Virgínia nos EUA

Mignoli disse que meia dúzia de galáxias foram encontradas em uma “teia de aranha” de gás que se estende desde o buraco negro até uma distância 300 vezes maior do que a Via Láctea. O rico ambiente de gás poderia explicar por que esses buracos negros cresceram tão rapidamente no curto período de tempo após o Big Bang.

As estruturas de teia de aranha podem ter crescido a partir de coleções de matéria escura, que é uma substância mal compreendida que constitui a maior parte da matéria em nosso universo, mas só pode ser detectada por meio de seus efeitos gravitacionais.

As galáxias na nova pesquisa eram apenas um pouco mais fáceis de detectar: ​​os astrônomos precisaram de várias horas de observações de vários grandes telescópios ópticos, incluindo o VLT, para estudá-las.

“Nossa descoberta dá suporte à ideia de que os buracos negros mais distantes e massivos se formam e crescem dentro de auréolas de matéria escura em estruturas de grande escala, e que a ausência de detecções anteriores de tais estruturas foi provavelmente devido a limitações de observação,” disse Colin Norman, coautor da nova pesquisa e astrofísico da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, no mesmo comunicado.

Os cientistas serão capazes de estudar melhor essas estruturas quando o Extremely Large Telescope do ESO ficar online, já que o instrumento foi projetado para perscrutar o universo primitivo e detectar galáxias ainda mais fracas.

A “primeira luz” do telescópio, quando ele coletará imagens de teste do céu, deve ser em meados da década de 2020.

Um estudo baseado na pesquisa foi publicado em 1º de outubro na revista Astronomy and Astrophysics.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Space.com

ANÚNCIO