Ploonetas: quando as luas se transformam em planetas

ANÚNCIO
Ploonetas: quando as luas se transformam em planetas
Foto: (reprodução/internet)

Como você chama a lua de um planeta que ficou rebelde, deslizou para sua órbita normal e parou de circular aquele planeta, assumindo uma nova órbita solitária em torno de uma de suas próprias estrelas?

Bem, dê-se um desconto se não souber a resposta a essa pergunta, porque é uma proposição estritamente hipotética neste ponto, e só muito recentemente os cientistas surgiram com um nome bonitinho para essas luas rebeldes.

ANÚNCIO

Em um artigo publicado em 28 de junho de 2019, em Monthly Notices da Royal Astronomical Society, uma equipe internacional de astrônomos propõe pela primeira vez que algumas das luas de planetas gigantes fora do sistema solar podem ser empurradas para fora de suas órbitas e começar a circundar suas estrelas separadamente, na verdade tornando-se pequenos planetas.

Então, é claro, os pesquisadores decidiram esmagar luas e planetas e chamar esses novos seres ploonetas (do inglês ploonet, uma junção das palavras moon e planet, que significam respectivamente lua e planeta).

Em seu artigo, os pesquisadores descrevem como criaram simulações para descobrir o que pode acontecer com as luas dos chamados Júpiteres quentes, que, os astrônomos já teorizaram, são gigantes gasosos que migram de órbitas distantes para se aproximarem das estrelas.

ANÚNCIO

Veja também: Um mini universo fractal pode estar dentro de buracos negros carregados

À medida que um desses gigantes gasosos se aproxima de uma estrela, as forças gravitacionais dos dois tornariam a órbita da lua mais energética, de modo que ela fosse forçada para cada vez mais longe de seu planeta. Eventualmente, estaria tão longe que estaria em seu próprio caminho.

Enquanto algumas luas expulsas eventualmente colidiriam com a estrela – ou com seu antigo planeta – e seriam destruídas, um subconjunto delas, menos de 50%, sobreviveria e começaria a orbitar a estrela por conta própria, e até mesmo absorver outro material flutuando no espaço e começar a se comportar como planetas.

“Este processo deve acontecer em cada sistema planetário composto por um planeta gigante em uma órbita muito próxima”, disse Sucerquia à Science News. “Portanto, ploonetas devem ser muito frequentes.”

Até agora, os ploonetas permanecem hipotéticos, já que os astrônomos ainda não observaram um.

Mas, como este artigo do Astronomy.com observa, depois que os astrônomos descobrem a assinatura de luz de um plooneta, eles podem pesquisar dados acumulados por telescópios espaciais e possivelmente localizar alguns deles.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: HowStuffWorks

ANÚNCIO