China revela planos ambiciosos de missão lunar para 2024 e além

ANÚNCIO
China revela planos ambiciosos de missão lunar para 2024 e além
Foto: (reprodução/internet)

A China tem uma missão operando no outro lado da lua e está se preparando para lançar outra este ano para coletar amostras lunares. E o país planeja aumentar seu impressionante currículo lunar, com um novo conjunto de missões para explorar o polo sul da lua.

Chang’e 6, uma missão de backup para o lançamento de amostra-retorno deste ano, está programada para ir à lua em 2023 ou 2024. O lançamento do Chang’e 7 está previsto para cerca de 2024 com o objetivo duplo de pousar no polo sul da lua e estudar de perto a região da órbita. Uma oitava missão também está em obras para o final desta década.

ANÚNCIO

O Centro de Exploração Lunar e Engenharia Espacial da Administração Espacial Nacional da China (CNSA) abriu no mês passado uma chamada competitiva a institutos relevantes para desenvolver cargas úteis para as cinco naves espaciais diferentes envolvidas na missão Chang’e 7.

Os documentos anexos mostram que a complexa missão consistirá em um orbitador, um satélite de retransmissão, um módulo de pouso, um rover (veículo robótico) e uma “mini nave voadora”. Um foguete Long March 5 será necessário para lançar a missão de 8.200 kg.

A China pretende que o orbitador carregue uma câmera de mapeamento estéreo de alta resolução e um radar de abertura sintética, um gerador de imagens de espectro infravermelho de banda larga, um espectrômetro de nêutrons e raios gama e um magnetômetro.

ANÚNCIO

Juntas, essas cargas fornecerão novos dados sobre a topografia da lua, composição mineralógica, ambiente de radiação e magnetosfera.

O satélite retransmissor – uma espaçonave semelhante ao satélite de comunicações Queqiao facilitando a missão Chang’e 4 – carregará um sistema de interferometria de linha de base muito longa (VLBI) para medições de VLBI Terra-lua.

Esta técnica envolve parceria com um telescópio terrestre para efetivamente criar um telescópio com o diâmetro da distância entre os dois detectores e, assim, fazer observações detalhadas de radioastronomia. Outro instrumento estudará átomos neutros na magnetosfera da Terra, cuja cauda se estende bem além da órbita da lua.

Veja também: Bolinho de 8 anos intriga especialistas em fungos

O módulo de pouso da missão carregará câmeras de pouso e topografia, instrumentos que também estão presentes nos módulos de pouso Chang’e 3 e 4 da China. Cargas úteis adicionais estudarão voláteis e isótopos e medirão o fluxo de calor através do solo lunar.

A sonda também incluirá uma câmera ultravioleta extrema, um termômetro e um sismógrafo.

O rover carregará quatro cargas úteis científicas. As equipes competirão para fornecer um radar de penetração lunar, um magnetômetro, um espectrômetro Raman para análise precisa da composição mineral e uma câmera panorâmica para o veículo.

Finalmente, a “mini nave voadora” levará um analisador de moléculas de água para fazer medições em áreas permanentemente sombreadas no polo sul lunar, onde o ângulo de elevação muito baixo do sol significa que a superfície dentro das crateras nunca recebe luz solar direta.

Os cientistas propõem que o gelo de água nessas áreas pode permanecer lá por muito tempo e, se esse gelo estiver presente, poderá fornecer recursos para futuras missões tripuladas.

Chang’e 7 é parte de uma nova fase das missões lunares chinesas que os oficiais anunciaram depois que Chang’e 4 pousou com sucesso no outro lado da lua no início de 2019.

Chang’e 7 também abrirá o caminho para Chang’e 8, outra missão de pouso no polo sul lunar planejada para o final dos anos 2020. Essa missão incluirá tecnologia de teste para uso de recursos locais e fabricação com impressão 3D, de acordo com declarações à imprensa chinesa.

Chang’e 6, um backup da missão lunar de amostra-retorno Chang’e 5 deste ano, também será lançado por volta de 2023 ou 2024. Se Chang’e 5 for bem-sucedido, será redirecionado para o polo sul.

Juntas, as missões farão parte de uma planejada Estação de Pesquisa Lunar Internacional, um grande projeto-conceito que a China propôs a outras nações. Os Estados Unidos, a Agência Espacial Européia, Rússia, Índia e Japão também estão planejando missões à lua nesta década.

Traduzido e adaptado por equipe Conhecimento Agora

Fonte: Space.com

ANÚNCIO